ONLINE
3




Partilhe esta Página

d

DFF

d

ACITEL

s

sr

a

A

S

D

S

C

S

D

S

s  

D

 

MDA

A

AGÊNCIA ESTADUAL DE NOTÍCIAS


ARTIGO, DE OBEREK, SOBRE NOSSO HINO NACIONAL
ARTIGO, DE OBEREK, SOBRE NOSSO HINO NACIONAL

Cantar por cantar, ou sentir alegria em ser brasileira e paranaense?

Artigo de Edivaldo Oberek

 

Quando eu morava em Jandaia do Sul, e cobria alguns municípios para a Gazeta Regional, me dava emoção ver, nas cidades de Cambira e Barbosa Ferraz, as crianças e mesmo as autoridades, em determinados eventos, cantando o hino da cidade, e com uma ênfase e de peito aberto e real carinho pelo município onde nasceram.

AB Hoje, na cerimônia de abertura dos 61º Jogos Escolares do Paraná, fase macrorregional de  Telêmaco Borba, vi uma adolescente cantando com alegria e “todo” o Hino Nacional Brasileiro e  do Paraná. Como ela não era de Telêmaco, não conseguiria cantar, claro, o nosso, mas  guardou-se em silêncio e respeito.

 Não consegui me conter, e quase chorei, creiam, por tal cena, pois me lembrei do quanto eu  estava sedento por escutar nosso “Ouviram do Ipiranga...” em terra “Brazilis”, quando eu  retornasse para cá (TB), ao pegar as férias de Dublin, na Irlanda. Nos quatro anos e meio que  lá passei, escutar o hino de nosso País quase colocava lágrimas em meus olhos! Podemos ter  todos os problemas que nós, tão bem conhecemos... mas como essa terra abençoada, não há  nada de igual no mundo!

 Por a menina ser loirinha, me veio também à lembrança de quando eu fui passear em Cracóvia,  na Polónia, e sem saber, cheguei em um feriado, justamente na independência daquele país  tão sofrido e judiado pelos alemães. Como eles cantaram o hino nacional deles naquela noite...  foi tão intenso o sentimento, que mesmo sem entender uma palavra sequer, foi possível  interpretar tudo: ele se resumia em amor ao País.

 Com a devida autorização em mostrar num artigo a foto da adolescente citada, mesmo que eu  não saiba seu nome, quero aqui, a parabenizar, por honrar nosso País tão lindamente e da  mesma forma, o nosso Estado. Aqui não se trata de bajulação, mas sim, em honrar algo...  honrar uma atitude, que precisa ser honrada.

 Nosso País está inundado de fatos que o incriminam, mas inundado (de forma positiva), da mesma forma, de futuras gerações que o amam! Tenho certeza que essa adolescente é uma delas!