ONLINE
6




Partilhe esta Página

D

DFF

d

ACITEL

s

sr

a

A

S

D

S

C

S

D

S

s  

D

 

MDA

A

AGÊNCIA ESTADUAL DE NOTÍCIAS


GINÁSTICA: interação dos pais traz progresso
GINÁSTICA: interação dos pais traz progresso

Sandra Buttini concedeu  relevante entrevista ao Oberekando

eht

20-04-2015 às 03:20:13) O grau de desenvolvimento e de grandes conquistas que o Centro de Ginástica Artística de Telêmaco Borba vem alcançando, graças ao esforço da coordenadora, professora Sandra Buttini, levou o site Oberekando a consultar essa profissional que aceitou o desafio de desbravar a modalidade no município, e hoje tem nos eventos dentro do Estado, um número relevante de conquistas e até já, tendo uma ginástica descoberta por Ela, Ana Luíza Pires, destacada nacionalmente em recente competição em Guarulhos.

Diversos foram os tópicos dessa entrevista especial, mas sobretudo quanto ao comportamento dos pais ao verem suas filhas se destacando nesse esporte. Outros pontos também foram lembrados, como o combate a vulnerabilidade social quando se pratica esporte, também de como a profissional vê a matrícula de crianças numa série de atividades, de como são tratadas crianças nos países mais desenvolvidos quando mostram aptidão a um segmento esportivo, e por fim, como não poderia faltar, a lembrança de externar os agradecimentos por ações que estão beneficiando o trabalho em Telêmaco.

APOSTA DOS PAIS NA POTENCIALIDADE DOS FILHOS

gte

Para Buttini, o esforço dos pais quando suas filhas, no caso da ginástica, estejam matriculadas, é de fundamental importância: acreditar, incentivar, trazê-las até as aulas, por mais que a distância seja empecilho, por vezes. Eles têm que perceber que suas filhas têm um grande trabalho, e que ao ficarem no Centro de Ginástica, os exercícios e o esforço não são poucos. Quando uma ginasta, por exemplo, numa olimpíada, ganha o lugar mais alto no pódio, enquanto a maioria, senão todos; veem apenas o momento único e até de glamour, Sandra disse ver no que resultou as horas e horas de doação numa quadra, nos equipamentos, e por vezes abrindo mãos das “bobagens” que toda criança adora comer. Novamente ela se remete aos pais de Pires, que mudaram-se para Curitiba ao ver que a filha teve a chance de ir para o SEGIN – Centro de Excelência de Ginástica. “As apostas valeram a pena e hoje eles começam a colher os frutos!” A telêmacoborbense é treinada por técnico russo na Federação.

A falta da aposta dos pais em suas crianças quando começam a se destacar no esporte, nem é somente, na maioria das vezes, suas culpas, mas sim das condições desfavoráveis da grande parte das famílias do país, em termos financeiros. Na Europa, assim como nos Estados Unidos, já no ensino fundamental, em alguns desses, com sete anos de idade, já se pesquisa a aptidão a determinada área esportiva dos estudantes, e já se começa a trabalhá-la.

Combate à vulnerabilidade

ae we

Outra colocação foi que, ao estar no esporte, à criança está fora das drogas, do álcool e outras nocividades. Ela não incorre de estar no grupo de vulnerabilidade. Qualquer modalidade de esporte dá esse ganho social aos seus praticantes. As vitórias que estão sendo possíveis na ginástica, também estão ocorrendo não só no tablado ou nas paralelas. Sandra disse: “No ano passado, de nossas alunas, menos de 10% ficaram doentes. Isso é um número magnífico. Criança no esporte é menos criança nos postos de saúde”.  

Aulas de dança, aulas de violão, ginástica...

Mais um questionamento feito à coordenadora da Ginástica de Telêmaco Borba, foi quanto aos pais que colocam seus filhos em números infindados de atividades e escolinhas.  Para ela, o que não se pode, é obrigar o filho ou a filha, a fazer aquilo que não seja de sua vontade. Muitas vezes as mães transferem aos seus, os sonhos que não conseguiram realizar, e isso não é o correto. Em sua concepção, as crianças têm muita energia e conseguem dar conta das atividades que entram, porém, das que elas se sintam bem e tenham prazer em tais. “Ou a criança é para tal tipo de esporte, ou não é. Não adianta pagar ou mandar fazer, porque a gente vê na cara se elas gostam, ou não!”.