ONLINE
15




Partilhe esta Página

D

DFF

d

ACITEL

s

sr

a

A

D

S

C

S

S

S

S

D

S

s  

D

 

MDA

A

AGÊNCIA ESTADUAL DE NOTÍCIAS

D


GINÁSTICA: MARIANA OLIVEIRA DISPUTOU EM 12 PAÍSES
GINÁSTICA: MARIANA OLIVEIRA DISPUTOU EM 12 PAÍSES

Ela fala ao Oberekando, em duas etapas. Veja a primeira!

s

2016-06-24 às 21:52:30) Mariana Oliveira, nascida em 10/02/1998, proporcionou ao site Oberekando uma entrevista exclusiva nesta tarde de desta sexta-feira, a um dia do início de mais um ano de competições externas para o Centro de Ginástica Artística de Telêmaco Borba, com a participação do município no Festival de Estreantes da Federação Paranaense de Ginástica Artística, na capital do Estado.

s

A história dela com a Ginástica se inicia com os tios. Já, num caminho inverso, a hoje técnica da modalidade foi quem foi trazida pela filha Mariana. Antes disso, - atualmente no Centro de Ginástica de Telêmaco -, Ana Paula Ferreira, era professora de Natação. Uma forma de estar ao lado da filha foi trocar as piscinas pelo tablado de elementos. Ana tem em seu currículo ter sido a primeira técnica da telêmacoborbense Ana Luíza Pires Lima.

Na conversa com o site, a atleta confessa que quando começou, era ainda mais baixinha e gordinha. Perguntada a ela se o fato de ser baixa, lhe favoreceu: “O tamanho engana muitos. O tamanho não é documento”. Nesse sentido ela ainda fala: “É bom ser baixinha, e isso facilita os movimentos!”.

A decisão dela, em encerrar sua caminhada na Ginástica, e justamente num momento em que ela poderia ser convocada para as Olimpíadas, foi citada como difícil, mas foi enfática: “Você sai da Ginástica, mas a Ginástica não sai de você”. Sua direção já está pensada: “Eu decidi parar para fazer Educação Física e quero ser técnica”.

Mariana conheceu 12 países. O auge foi a primeira colocação na Rússia – país referência no esporte. As fotos na neve, em seu primeiro contato com esse cartão postal na vida, foram imperdíveis na capital, Moscou. A imensidão dos ginásios onde competia, como atleta da Seleção, e pelo Cegin, foi outro fato que a conquistou. Não poderia ser esquecido na conversa, o fato escarnecedor aos ocidentais, da morte de cachorros para seu uso na culinária chinesa.

O espírito de equipe, a aplicada disciplina e uma vida saudável foram citados por ela, como principais ganhos da modalidade.

s

Neste close, ela em família, ao lado da irmã Gabi Oliveira.

 

ASSISTA A PRIMEIRA PARTE DA ENTREVISTA, NA ÍNTEGRA. SEMANA QUE VEM, VEJA NO OBEREKANDO, O COMPLEMENTO DESSA INTERESSANTE CONVERSA COM ESSA ATLETA.