ONLINE
8




Partilhe esta Página

A

DFF

d

ACITEL

s

sr

a

A

D

S

C

S

S

S

D

S

s  

D

 

MDA

A

AGÊNCIA ESTADUAL DE NOTÍCIAS

S


Telêmaco Borba luta contra o caramujo africano
Telêmaco Borba luta contra o caramujo africano

Espécie foi encontrada na Área 2 por pessoa que fazia caminhada

d

2016-01-06 às 21:09:00) Foi graças a uma atenta senhora que fazia sua caminhada na Área 2, em Telêmaco Borba, que foi descoberta na cidade, a presença do caramujo africano, cientificamente conhecido como Achatina fulica.

A intensificação à sua caça chega num momento em que a área de Vigilância e Saúde já está focada no combate ao Zika vírus, que é transmitido por meio da picada do mosquito aedes aegypti, com a dengue em si, causada por esse mosquito, e com a chicungunha. Este último com os mesmos sintomas da dengue, porém, atacando as juntas (articulações) dos afetados, trazendo fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

f

De acordo com Linda Mara Nogueira Oliveira, chefe da área ambiental de Vigilância e Saúde, da Secretaria Municipal de Saúde de Telêmaco Borba, na próxima quarta e sexta feiras, dias 13 e 15, da outra semana, no período da manhã, haverá um mutirão de trabalho neste local detectado. Já foram distribuídos à população da Área 2 sacos plásticos para a coleta desses, além de luvas e folheto explicativo. Aqueles que coletarem o molusco, antes e após essa data, devem o depositar nos sacos plásticos e levá-los até os postos de Saúde, ou da própria Área 2, ou Jardim Alegre.

 

PROPÓSITO INICIAL ERA QUE CARAMUJO SUBSTITUÍSSE O ESCARGOT

Quando foi, de forma ilegal, introduzida no Brasil, na década de 80 e no Paraná, seu cultivo tinha por objetivo substituir o escargot, na gastronomia. Esse animal, que pode pesar 200 gramas, e medir cerca de 10 centímetros de comprimento e 20 de altura, segundo Lindamara, frustrou a quem esperava dele as mesmas qualidades, sejam paladar e outros fatores, e ai suas matrizes foram descartadas em vários territórios do Paraná. Sua coleta é manual e a sua disseminação é auxiliada por ele não ter um predador.

 

AS DOENÇAS QUE ELE PODE CAUSAR:

Angiostrongylus costaricensis: responsável pela angiostrongilose abdominal, doença que provoca perfuração intestinal, de sintomas semelhantes aos da apendicite;

Angiostrongylus cantonensis: responsável pela angiostrongilíase meningoencefálica, de sintomas variáveis, mas muitas vezes fatal.

 

LEIA TAMBÉM:

 CADERNO ESPECIAL DE NATAL